As pessoas falam

e as palavras, rebentam nos lábios em

formas inesperadas.

 

Há lábios que só se abrem

para bolhas de sabão,

por vezes coloridas,

mas tão frágeis.

 

Há lábios que parecem jarros

com flores de papel.

 

E há também, lábios

que ao menos em certos instantes

deixam surgir

rosas frescas e vermelhas

que a gente colhe

com as duas mãos.

 

 

 

do Livro: Rosas para  Meu Deus - Ed.Paulinas

Todos os Direitos Reservados

 

 

 

 
 

09/10/2004

Atualizada em 31/07/2010