Noite abafada de verão.

Só,
à espera de ser domada,
uma saudade estranha,
lembrança roubada
do fluxo da vida,
é dor de solidão.

Uma nota longa e suave
- um adágio -
final de uma canção
apenas começada,
é dor de solidão.

A infelicidade quer sempre companhia.
Desalmada,
surge naquele furtivo tédio
alojado no coração.
É dor de solidão.

O pássaro escuta o céu
e não canta na tempestade.
Sábio,
no seu ninho se recolhe.
Neste recanto de sobrevivência
não existe espaço
para dor de solidão.

 
 

 
 

Todos os Direitos Reservados

 
 

 

 

 
 

12/08/2010